pimenta, (jindungo), cahombo

nome popular—pimenta, jindungo-cahombo
nome científico—capsicum chinense
origem —Angola
pungência—Schoville Heat Units
 
 —NOVO—
 —TEMPORARIAMENTE
INDISPONÍVEL—
 
—em lotes de 11, 22, 44, 88, 176 e 352 sementes—
— cotação para lote 11 sementes, —6,90€—
—restantes lotes serão cotados proporcionalmente ao número de sementes sofrendo descontos de 10, 20, 30, 40 e 50%, respectivamente—
 

 

fonte
fotos 1 e 2: www.ecologicstation.com
texto: www.pimentas.org

Jindungo é uma palavra oriunda do Quimbundo ou Kimbundo uma língua africana e uma das línguas Bantas mais faladas em Angola, que formam um ramo do grupo benue-congolês da família linguística nígero-congolesa, com mais de 600 línguas e que designa a pimenta pertencente à família das Solanáceas e ao gênero Capsicum frutescens.

Em Portugal e Moçambique as pimentas ardidas são chamadas indiscriminadamente de Piri-Piri. Como as cultivares existentes hoje em dia são o resultado de polinizações cruzadas diversas  ao longo dos anos, existem pequenas diferenças de tamanho, coloração e picância entre as variedades “primas”. Até no Brasil, se formos a vários supermercados e feiras em busca de malaguetas, verificaremos que algumas são maiores do que as outras, ou mais claras ou mais “ardidas”. Mas quando nos referimos à Malagueta, à Piri-Piri e ao Jindungo, em geral estamos a falar da mesma pimenta, ou pelo menos de pimentas que para alem de pertencerem à mesma família, têm um progenitor comum, cada uma das designações mais vincadamente usadas, consoante os territórios colonizados.DSCF9553

A grande maioria das pimentas africanas descendem das pimentas brasileiras, introduzidas lá pelos portugueses durante a colonização. Com o passar dos séculos, os povos que as receberam foram seleccionando algumas características que mais lhes agradavam, o que originou novas variedades que, embora parecidas, aos olhos dos botânicos mostram-se diferentes, tanto no formato, tamanho e cor dos frutos, flores e plantas, quanto ao sabor e pungência dos seus frutos. Eu que cultivo a malagueta e a Jindungo, nas suas duas variantes e posso garantir que, embora pareçam ser a mesma pimenta, na verdade são variedades distintas, ambas da mesma Espécie (C. frutescens).

Piri-Piri é uma palavra suaíli significando “pimenta-pimenta” referindo-se a generalidade das pimentas. Em Portugal, é usual encontrarem-se essas pequenas pimentas, “enforcadas” em guirlandas em diversos mercados, especialmente do interior serrano. Em circunstancia alguma, em algum restaurante do Algarve, é servida galinha sem a pergunta “Com piri-piri?” ou, Sem piri-piri?. Comerciantes Portuguêses terão levado as sementes para suas colónias Africanas de Angola e Moçambique. De lá, elas espalharam-se por toda a África, juntamente com piri seu nome suaíli “-piri. Para completar o círculo, algumas das pequenas e quentes vagens foram trazidos de volta a Portugal, onde tem mantido seu nome suaíli até aos nossos dias.

O jindungo, também conhecido por pimenta-malagueta, em Angola apresenta-se de duas formas, o De kahombo, maior, redondo e avermelhado e o Kuleketa ou Calequeta com a sua mutação genética De kibundo, mais pequeno, barrigudo e pontiagudo

 
fonte
foto: http://www.ecologicstation.com
 
 
 
texto:

Quanto ao “Cahombo”, de que nem todos são apreciadores, é verdade que se meteu a colonizar Angola, mas, tanto quanto sabemos, ficou-se pela provincia de Luanda e pelas cercanias do Vale do Cavaco, em Benguela.

 

fonte
texto:
texto adaptado: www.ecologicstation.com

Variedade residente das provincias de Luanda e Benguela, cercanias do Vale do Cávado, localizadas a noroeste e oeste de Angola, respectivamente. Muito resistente, facil de crescer, atinge cerca 90 cm de altura por 60 cm de largura.  Tem preferencia por climas quentes e húmidos, típico das florestas tropicais, com solo profundo, solto e bem drenado e rico em matéria orgânica, com pH entre 6,6 e 7,6, apesar de conviver com facilidade em zonas menos favorecidas desde que as temperaturas se mantenham elevadas.
As flores, de pedicelo inclinado na antese, surgem em numero de 1 a 3 por nó, com corola amarelo-esverdeada !!!, sem manchas na base dos lobos das pétalas, e anteras de coloração azul !!!.
Frutos, pendentes, em formato arredondado ou ligeiramente oblongo, mas sempre irregulares, com dimensões de 2,5 x 2,3 cm. Surgem em quantidades pouco significativas, deixando em quaisquer circunstancias a planta muito bonita. Com a superfície um tanto irregular, em forma de folhos apresentam coloração verde escura (imaturo), que passa gradualmente ao laranja e vermelho intenso brilhante (maduro). São muito aromáticos, com o sabor típico das Habaneros misturado a um toque selvagem, identificado como
cheirando a cabra, de onde vem o nome (“kahombo”=cabrito). Dado o seu cheiro característico , o jindungo-de-cahombo reluta muita gente. Contudo é bastante saboroso e reflete na culinária o seu profundo e exótico aroma, com o tal sabôr selvagem que faz as delicias dos seus apreciadores e simultâneamente  tão profundamente rejeitado pelos seus detratores. Cada fruto contém uma média de 15/20 sementes de cor creme, que germinam num prazo de 7 a 21 dias. A colheita, não muito abundante, inicia-se 150 dias após a sementeira, para frutos maduros.
Na sua região de origem, é usada fresca na preparação de molhos usados para temperar vários tipos de pratos, nomeadamente a tão caracteristica “muamba-de-galinha” à Angolana

O jindungo pode ser de cahombo e de calequeta. O primeiro é arredondado, com cheiro a cabra, de onde vem o nome (“kahombo”=cabrito). Dado o seu cheiro característico , o jindungo-de-cahombo reluta muita gente. Contudo é bastante saboroso e reflete na culinária o seu profundo e exótico aroma, aquele sabõr selvagem que faz as delicias dos seus apreciadores e simultâneamente  tão profundamente rejeitado por outros.


fonte
texto: www.ecologicstation.com
O Jindungo “De Cahombo”, tem uma baga bem mais mais arredondada, de sabor muito aromático e  agradável e um cheiro profundamente caracteristico, contudo com um período de conservação bem menor e também menos picante que o kulequeta

Os comentários estão fechados.