quiabo

 

nome popular – quiabo ‘santa cruz’
nome científico – abelmoschus esculentus
origem -África
+++++++++
+++TEMPORARIAMENTE
INDISPONÍVEL
+++++++++
fonte
foto:
texto: www.ecologicstation.com
Variedade botanica eminentemente tropical, sua produção, embora tímida está fazendo seus primeiros ensaios em Portugal. A menos que se disponha de condições técnicas adequadas às altas temperaturas de que requer para realizar seu ciclo vegetativo com vigor as sementes de  abelmoschus esculentus em circunstancia alguma deverão ser colocadas na terra, ou de preferencia em bandejas, antes do inicio da Primavera. Se é certo que as sementes até germinam com alguma facilidade, mesmo q as temperaturas não sejam as adequadas, também não é menos certo que as mudinhas depois de eclodirem sofrem bastante com a falta de calor. Também, no que respeita à selecção da variedade devemos ter em conta aquelas que melhor se adaptarem aos climas temperados, para que o insucesso não nos bata à porta. Uma vez as mudas estabilizadas, não exagere nas regas pois a planta não gosta de todo de terrenos encharcados convivendo mesmo na perfeição com regas pouco fartas e espaçadas..
fonte
foto: http://www.hortec.com.br/
texto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Quiabo

O quiabo (Abelmoschus esculentus) é uma planta da família da malva (Malvaceae). O seu fruto é uma cápsula fibrosa cheia de sementes brancas redondas, muito utilizado em culinária antes da maturação.

De origem africana e trazido para o Brasil juntamente com os escravos, o quiabo, é um exemplo de uso de alimentos da cultura brasileira. Sua presença compõe pratos típicos regionais, como o Caruru – quiabo cozido com camarão seco – ou mesmo na culinária mineira, com o Frango com Quiabo e o Refogado de Carne com Quiabo. Pode ser apreciado cozido , com tempero no óleo deixando bastante sequinho. Sendo este um fruto simples, seco, indeiscente, do tipo cápsula loculicida. Ele fresco é um fruto imaturo. Os quiabos têm forma de cápsulas, são verdes e peludos e apresentam um tipo de goma viscosa. Rico em Vitamina A é de extrema importância para a visão, pele e mucosas em geral.

Segundo dados de Alfons Balbach, no livro As Hortaliças na Medicina Doméstica, Edições A Edificação no Lar, em 100 gramas de quiabo estão agrupados:

850 U.I. de vitamina A; 130 mcg de vitamina B1 (Tiamina); 75 mcg de vitamina B2 (Riboflavina); 0,70 mg de Vitamina B5 (Niacina) e 25,80 mg de ácido ascórbico. Além disso, contém 40,00 kcal (calorias) (em 100 gramas); 89,60% de água; 7,40 % de hidratos de carbono; 1,80% de proteínas; 0,20% de gorduras e 1,00% de sais.[1]

Se por um lado a vitamina A exerce as funções já mencionadas, além de proteger o fígado, a vitamina B1 é decisiva para o bom funcionamento do sistema nervoso, a vitamina B2 é importante para o crescimento, principalmente na adolescência, segundo o Dr. Ernest Schneider, autor do livro A Cura e a Saúde pelos Alimentos, editado pela Casa Publicadora Brasileira.

Fruto de fácil digestão, é recomendado para pessoas que sofrem de problemas digestivos. Por isso mesmo, é eficaz contra infecções dos intestinos, bexiga e rins.

 

 

 

 

Os comentários estão fechados.